Fechar
Jalapão, Tocantins

Jalapão – Dia 2 – Cachoeira da Velha, Prainha e Dunas

08 de maio de 2017

No segundo dia de expedição partimos de Ponte Alta em direção a Mateiros, nosso próximo destino no Jalapão. Mateiros concentra a maior quantidade de atrativos do Jalapão, fervedouros, dunas, cachoeiras.

Jalapão Selvagem

Jalapão Selvagem

Saímos de Ponte Alta umas 9h da manhã e pegamos a estrada para Mateiros. Agora eu estava no carro da Jalapão Selvagem com as outras meninas do grupo, a Paty e a Paula de São Paulo. O carro da Jalapão Selvagem é uma pickup de 5 lugares e fui bem confortável lá atrás. Fomos conversando o caminho inteiro, ouvindo música e nem vimos a viagem passar. As meninas tinham uma playlist muito boa e eu super curti todos os estilos musicais tocados. Tão bom pegar uma estrada ouvindo uma musiquinha boa né? Já quando a música não é do nosso gosto pode até estragar o passeio. Por isso, levem músicas boas e um fone de ouvido, para caso não gostem das músicas que estiver tocando.

Grupo da expedição Jalapão

Os dois grupos, da Jalapão Selvagem e da Cerrado Dourado seguiram juntos o tempo todo e sempre nos encontrávamos nas paradas do caminho.

No caminho fizemos uma parada num rio para refrescar o calor. O rio era pequeno, mas tinha uma coisa bem divertida pra fazer, a gente pulava no rio e deixava a correnteza nos levar até parar num tronco, era bem legal.

Por volta de 12h paramos num hotel abandonado para almoçar. O almoço desse dia foi um lanche preparado pelos guias Gallery e Douglas.

Parada para almoço - Jalapão Selvagem

O lanche estava muito bom, tinha pães, queijo, presunto, geléias, bolo, frutas, sucos e uma paçoca deliciosa. Pra quem não sabe essa paçoca não é aquela doce não, é uma farofa com carne seca muito gostosa. Eu adoro.

Parada para almoço - Jalapão Selvagem

Parada para almoço

Depois do almoço seguimos para a Cachoeira da Velha, a maior do Jalapão, com 20 metros de queda e 100 metros de largura.

Cachoeira da Velha - Jalapão

A Cachoeira da Velha é como se fosse uma mini Foz do Iguaçu, com uma passarela de onde se observa as quedas.

Cachoeira da Velha - Jalapão

Cachoeira da Velha - Jalapão

A Cachoeira da Velha é formada pelo Rio Novo e a queda aqui é tão forte que não é possível tomar banho. Cachoeira da Velha - Jalapão

Ao final da passarela tem uma escada que leva bem perto da cachoeira. Tem uns bancos também para contemplação.

Cachoeira da Velha - Jalapão

Cachoeira da Velha - Jalapão

 

Depois da Cachoeira da Velha seguimos para a Prainha, que fica a 5 minutos da cachoeira. A Prainha é uma praia formada pelas águas do Rio Novo e é um local muito agradável, com uma extensa faixa de areia para relaxar e curtir o visual.

Prainha do Rio Novo - Jalapão

Prainha do Rio Novo - Jalapão

Aproveitei para estender minha canga e descansar um pouco.

Prainha do Rio Novo - Jalapão

Prainha do Rio Novo - Jalapão

A água é calminha e transparente, dava pra ver vários peixinhos nadando. Quando o sol bate, a água ganha um cor dourada muito bonita.

Prainha do Rio Novo - Jalapão

Prainha do Rio Novo - Jalapão

Olha que coincidência, encontrei a Gisela Carvalho por lá. Ela estava com um grupo de amigos fazendo expedição no Jalapão.

O grupo todo curtindo a Prainha. Essa galera era muito top, a viagem foi muito mais especial com eles.

Depois da Prainha seguimos para as Dunas do Jalapão para ver o pôr do sol. No caminho fizemos uma parada num dos cenários que eu considero um dos mais lindos de lá, um lago rodeado pela vegetação com a Serra do Espírito Santo ao fundo.

Parece um oásis no meio do deserto.

Depois continuamos de carro até um ponto mais próximo de onde começa a trilha para subir as dunas. A trilha é curta, uns 10 minutos e a subida é tranquila, nada muito íngreme não.

Em poucos minutos chegamos no topo e fomos surpreendidos com esse visual arrebatador.

A vista lá do topo é surreal, as dunas douradas pela luz do sol, o verde tão vivo das árvores ao redor e os chapadões da Serra do Espírito Santo ao fundo formavam o cenário perfeito.

Lá no topo ficam alguns fiscais tomando conta das dunas, para que ninguém se aproxime muito das bordas da duna para preservação do local.

Também é proibido escorregar ou descer as dunas por qualquer outro lugar que não seja o demarcado para a trilha.

E o ponto alto do dia foi esse pôr do sol fantástico no topo das Dunas do Jalapão.

Depois de visitar as dunas, seguimos até Mateiros e nos hospedamos na Pousada Veredas Tropical.

A pousada era super confortável e arrumadinha. Os quartos tinham ar condicionado, chuveiro elétrico, televisão e frigobar. Na pousada tinha Wi-Fi também, mas só pegava lá fora.

A dona da pousada é uma simpática senhora cheia de histórias interessantes.

Todos ficamos encantados com a força dessa mulher, Dona Bibi, desde sua história de vida até sua garra em levar sozinha essa pousada. A Dona Bibi foi uma das pessoas que perdeu tudo na época do Collor e teve que começar do zero. E ela escolheu recomeçar no Jalapão, que foi o lugar onde ela conseguiu comprar um terreno e construir essa pousada.

Passamos algumas horas na varanda da pousada conversando e rindo muito com Dona Bibi. Ela tem um carinho enorme pelo nosso guia Gallery, da Jalapão Selvagem e ele a trata muito bem. É bonito de ver essa amizade.

Nosso segundo dia no Jalapão foi incrível, Cachoeira da Velha, Prainha e pôr do sol nas Dunas pra fechar com chave de ouro. Tem como não se apaixonar pelo Jalapão?

Informações:

Jalapão Selvagem

Site: https://www.jalapaoselvagem.com/

Telefone: 63 – 8401-4222

Email: jalapaoselvagem@gmail.com

Confia todos os posts do Jalapão:

Dicas do Jalapão

Jalapão – Dia 1 – Canyon Sussuapara, Rio Novo e Pedra Furada

Jalapão – Dia 2 – Cachoeira da Velha, Prainha e Dunas

Jalapão – Dia 3 – Fervedouros e Cachoeira do Formiga

Jalapão – Dia 4 – Fervedouro Bela Vista, Cachoeira das Araras e Morro Vermelho

2 Comentários
Escreva seu comentário
Comente via facebook
2 Comentários
  1. Eduardo    07/10/2017 - 07h28

    Parabens pela viagem,admiro sua coragem.Estou pensando em ir no meio de novembro,de carro popular, mas só leio que vai 4×4. Será que o carro faz o caminho da estrada principal ( sem sair para os atrativos ) sem maiores problemas,lembrando que vou sozinho? Desejo que Deus continue iluminando os caminhos desse mundo veio sem porteiras pra vc. Grande abraço. Te encontro pelo mundo.

    *** obs: Meu roteiro em novembro; Parque estadual rio doce,parque rio preto,parque peruacu, parque jalapao, parque descobrimento (BA),parque monte pascoal ( BA), e se der parque caparao, bora ?

    • Dayana    09/10/2017 - 10h13

      Olá Eduardo.
      Realmente as estradas do Jalapão necessitam de um carro 4×4 pelo terreno ser muito arenoso. Vimos alguns carros atolados no caminho, lembrando que o sinal de celular é inexistente por lá. É importante ter experiência em dirigir nessas estradas também. Seria bom você se juntar com algum grupo e fazer essa expedição acompanhado de guia.
      Muito bacana seu roteiro, tenho certeza de que será uma viagem maravilhosa.

Instagram
@seguindo_viagem
css.php