Fechar
Pucón

O que fazer em Pucón no Chile

12 de agosto de 2016

Pucón é uma linda cidade da Região dos Lagos Andinos e um dos lugares mais visitados do Chile.

Pucón é um destino que cai bem em diferentes estilos de viagens. Seja uma viagem em família para curtir as atividades ao ar livre, uma viagem romântica ou para os mais aventureiros, que procuram atividades radicais, como trekking no vulcão Villarrica e outros esportes de neve.

Pucón fica na base do Vulcão Villarica, um dos principais ícones dos Lagos Andinos e um dos mais lindos pontos turísticos do Chile.

O Villarrica se parece com o Osorno, no formato e na simetria perfeita, mas é um pouco mais gordinho em cima. O topo do vulcão nevado parece uma cobertura de chantily.

O vulcão pode ser visto de vários pontos da cidade e às vezes é possível até ver uma fumacinha saindo dele, um dos sinais de que ele ainda está em atividade.

Devido à proximidade do vulcão, a cidade está sempre alerta, com placas indicando vias de evacuação e um Semáforo de Alerta Vulcânico bem no centro da cidade. A última erupção do vulcão Villarrica foi na década de 80.

Pucón é bem pequenina e você consegue conhecer o centro todo à pé. O comércio se concentra na Avenida Bernardo O’higgins, a principal da cidade, com vários restaurantes, cafés, bares e lojinhas, agências de turismo, centro de informações turísticas.

   

A cidade é limpa e bem cuidada, com charmosas construções de madeira, jardins floridos e aquele clima de montanha, uma graça de lugar.

Pucón foi nosso último destino do roteiro pela Região dos Lagos Argentina e Chilena. Começamos a viagem em Bariloche, visitando Villa La Angostura e San Martín de Los Andes, depois cruzamos a fronteira com o Chile e fomos para Puerto Varas, onde visitamos também Puerto Montt e Frutillar. Por último seguimos para Pucón e Santiago de onde saiu nosso vôo de volta para o Brasil.

Como chegar em Pucón

O aeroporto mais próximo de Pucón fica na cidade de Temuco, com vôos regulares a partir de Santiago. Também é possível fazer o trajeto Santiago – Pucón de ônibus. A empresa JAC disponibiliza vários horários, inclusive noturno.

Nós fomos para Pucón a partir de Puerto Varas. Pegamos um ônibus da empresa JAC, a viagem durou 4 horas. Fomos para Santiago de ônibus também, saímos à noite e chegamos no outro dia bem cedinho.

Onde ficar em Pucón

Nos hospedamos no Elementos Eco Hostel, um hostel todo ecológico e que levam isso muito a sério. A dona é uma simpatia, esperou a gente chegar e nos recebeu super bem. Nos sentimos em casa. O hostel era bem localizado, no final da rua tinha um supermercado e o dava pra ir caminhando até o centrinho.

Quantos dias ficar em Pucón

De 2 a 4 dias dependendo das atividades que você pretenda fazer. Eu fiquei dois dias, mas queria ter ficado mais tempo pra fazer o trekking no Villarrica, mas não estava na temporada de subir o vulcão.

O que fazer em Pucón

No nosso primeiro dia em Pucón, a previsão era de tempo nublado e frio o dia inteiro. Pra quem pensa que isso é sinônimo de ficar de molho no hotel está enganado. Pucón tem o passeio perfeito para esse clima, as famosas termas. Como Pucón está localizada numa área de vulcões, a cidade é cheia de águas aquecidas pelos vulcões, que dá origem a várias termas bacanas.

A mais famosa e interessante é a Termas Geométricas, uma termas totalmente integrada com a natureza, com cachoeiras e piscinas geladas também.

termas-geometricas-pucon

Contratei esse passeio no próprio hostel porque como chegamos tarde no dia anterior não tivemos tempo de ir no centro pesquisar, mas na Calle O’Higgings tem várias agências que levam pra lá, vale a pena pesquisar.

O nome termas geométricas é por causa das formas das passarelas que integram o circuito de piscinas. O lugar é enorme, com várias piscinas de formas, tamanhos e temperaturas diferentes. Um lugar perfeito para relaxar em contato com a natureza.

Termas Geométricas

Conto mais sobre esse passeio nesse post das Termas Geométricas.

No dia seguinte o dia amanheceu ensolarado e estávamos super felizes de conseguir fazer os passeios pela cidade.

Só tínhamos o dia de hoje para conhecer Pucón, à noite já iríamos para Santiago, de onde sairia nosso voo para o Brasil.

Fomos pesquisar os passeios nas agências da Avenida O’higgins.

Os dois passeios que achamos mais importantes eram o passeio até a base do vulcão Villarica, que dura 2 horas e o Tour por La Zona, que abrange os pontos principais da cidade, Lago Caburgua, Ojos de Caburgua, alguns mirante e saltos terminando numa termas.

Para nós não era interessante ir de novo nas termas, porque fomos no dia anterior. Eu não queria perder 2 horas do meu último dia numa termas comum, sem natureza, pois já tinha ido na melhor e mais legal. Preferia ficar andando pelo centrinho. Além disso, o passeio chegava em cima da hora do nosso ônibus para Santiago (20:15h). Pesquisamos várias agências e todas incluíam as termas, não existia a opção sem termas.

Então vimos que o passeio não era adequado para nós e preferimos alugar um carro para ir ao vulcão e fazer o Tour por La Zona.

Foi a melhor opção, o aluguel do carro + gasolina saiu a metade do preço que gastaríamos nos dois passeios. Alugamos um Fiat Uno por 20.000 e gastamos 10.000 de gasolina. Nos dois passeios já gastaríamos mais que 60.000 pesos.

O Tour pode ser feito de ônibus comum, já os outros passeios, como Vulcão Villarica e termas tem que ser feito com alguma agência ou alugar carro mesmo.

Primeiro subimos até a base do vulcão Villarica. O vulcão é bem pertinho da cidade, fizemos o percurso em uns 30 minutos. A estrada é de cascalho e cheia de curvas, é preciso ter atenção e ir devagar. Chegando lá, tem que subir um trecho à pé e logo no início já tem bastante neve.

O dia estava ensolarado, mas o vulcão não apareceu nenhuma vez sequer. As nuvens estavam em cima dele o tempo inteiro. Infelizmente, tivemos que descer sem ter visto o topo do vulcão.

Descemos e almoçamos rapidinho antes de seguir para o tour por la zona.

No centrinho tem três lugares que dá pra ir andando:

La Poza – onde funciona o porto com uma passarela de madeira e um jardim florido, bancos e uma linda vista para o lago e para o vulcão. Tem um jardim lindo com as estátuas dos índios, em homenagem aos primeiros habitantes da região. Fica no final da Avenida Bernardo O`Higgings.

 

O Villarica só deu o ar da graça no fim da tarde, perto da hora de ir embora, pelo menos consegui fazer algumas fotos dele.

Playa Grande – uma praia de areia escura e águas calmas, formada pelo Lago Villarrica. Dá pra alugar caiaque e pedalinho. A cor preta da areia é por causa das partículas do vulcão Villarrica. Para chegar na Playa Grande basta caminhar pela Calle Ansorena até o final.

Plaza de la Artesania – uma feira de artesanatos ótima para comprar lembrancinhas da viagem.

La Zona

Depois pegamos a estrada em direção ao Lago Caburgua. É bem fácil chegar, a estrada é boa e bem sinalizada. Primeiro paramos nos Ojos de Caburgua, um lugar lindo com cachoeiras e um poço de água azul cristalina. A entrada custa 1.000 pesos por pessoa.

Não é permitido entrar nas cachoeiras para tomar banho, o local é só para contemplação a partir das passarelas.

Depois seguimos até o Lago Caburgua. Chegando lá tem duas praias para conhecer: a Playa Negra, que é a praia que dá pra chegar de carro e a Playa Blanca, na qual se chega por uma trilha. As duas são lindas.

A Playa Negra é enorme, mas não é própria para banho. No local tem aluguel de caiaque e pedalinho para dar um passeio pelo lago. O visual é lindo demais.

Depois voltamos por um caminho alternativo para parar o mirante Quehue, mas me arrependi porque a estrada era de terra e muito estreita, mal dava pra passar 1 carro e toda hora cruzava com outro carro na direção contrária. A estrada era cheia de curvas e não dava pra ver direito quando algum carro vinha. Achei perigosa.

Voltamos pra Pucón e eu ainda consegui dar uma voltinha pela O`Higgings e ir na feirinha de artesanato.

Nosso ônibus para Santiago saiu às 20:15h. A passagem custou 14.700 pesos e achei a viagem boa, consegui dormir bem.

Pucón foi um dos lugares que eu mais gostei de conhecer na Região dos Lagos Andinos. Não deixe de incluir Pucón no seu roteiro pelo Chile.

 

 

0 Comentários
Escreva seu comentário
Comente via facebook
Instagram
@seguindo_viagem
css.php