Fechar
Colômbia, Destinos Internacionais, Praia, San Andrés

San Andrés

18 de abril de 2015
San Andrés é uma ilha colombiana localizada no mar do Caribe, que pertence ao arquipélago de San Andrés e Providencia.
Famosa por seu mar de sete cores, San Andrés possui praias paradisíacas com areias brancas, coqueiros, uma vida marinha incrível com muitos peixes e corais.

O agito está concentrado na parte norte da ilha, local conhecido como centro, onde estão os principais hotéis e comércio em geral.


Como chegar

Copa, Lan e Avianca possuem voos regulares para San Andrés, com conexão em Bogotá (Avianca) e Panamá (Copa). A dica é ficar de olho nas promoções de passagens aéreas em sites como melhores
destinos, passagens imperdíveis. Fomos de Avianca, decolamos do Galeão com conexão em Bogotá. O trajeto até Bogotá durou 6 horas e o voo foi bastante agradável, vários filmes legais para assistir. Nosso tempo de conexão foi de 6 horas e aproveitamos para conhecer o famoso restaurante Andrés Carne de Res.

Moeda

A moeda utilizada é o peso colombiano. Aproveite para fazer o câmbio no aeroporto. O Banco de Bogotá fica no segundo piso e só aceita dólar. Há outras casas de câmbio no aeroporto que aceitam reais, mas o câmbio não estava muito favorável quando fomos, 1 real estava cerca de 680.000 COP. Eu troquei um pouco de real no aeroporto e depois usei um pouco de cartão de crédito (a maioria dos lugares aceita) e também saquei em moeda local nos terminais automáticos, que estava com um câmbio bem melhor,
apesar da taxa cobrada. A dica é sacar em grandes quantidades, pois paga-se uma taxa a cada saque efetuado.

Dicas:
  • Não esqueça de levar um agasalho porque em Bogotá faz bastante frio.
  • O voo para San Andrés sai do terminal doméstico e o aeroporto disponibiliza ônibus gratuitos para te levar até lá. O aeroporto é bem pequeno e não tem nada pra fazer, então fique no internacional
    e deixe para ir pra lá perto do horário do voo. Lembrando que a bagagem só é retirada no destino final.
  • Peça o formulário de permanência na ilha no balcão da Avianca e preencha durante o voo para agilizar o processo de chegada (caso esqueçam de te entregar).
  • Chegando em San Andrés, corra para a fila de imigração, que costuma ser demorada. Até que fomos rápido e não fizeram muitas perguntas, nem pediram o certificado de vacinação contra febre amarela,
    apesar da Colombia estar entre os países que exigem o certificado.
  • Antes de embarcar para San Andrés é preciso comprar a tarjeta turística, que vende no próprio terminal doméstico. Guarde muito bem esse papel, pois ele será cobrado tanto na volta de San
    Andrés, quanto para ir à Ilha de Providencia.

Onde ficar

San Andrés possui hospedagens para todo tipo de viajante. Desde resorts all inclusive a opções mais econômicas como hostels.
Outra opção interessante é se hospedar em alguma pousada nativa. Li boas recomendações da Glad´s Place
Posada Miss Marly
Eu reservei pelo booking a Posada MissMarly para a primeira noite e deixei para fechar os outros dias quando chegasse lá porque existem muitas opções de hospedagem que não estão na internet. A Pousada ficava perto do aeroporto e na verdade era um apartamento de dois quartos, sala, cozinha, banheiro, toda equipada, uma graça e com um preço ótimo.
Até ficaria todos os dias nela, não fosse a localização ser um pouco longe do centro.
Hotel Noblehouse
No dia seguinte fomos procurar um lugar para ficar e de cara gostamos do Hotel Noblehouse. É um hotel muito bem recomendado, li vários relatos de pessoas que se hospedaram nele. Tinha muitos
brasileiros no hotel. A localização é ótima, possui ar condicionado, chuveiro quente e um ótimo café da manhã. Fechamos diretamente com eles e ainda ganhamos um desconto por ficar 6 noites e pagar em dinheiro. A diária saiu por 180.000 COP com café da manhã.
Outras hospedagens bem recomendadas:
Mary May In Posada – Ótima localização no centro em frente à lanchonete Kikiriki. Bom e barato
O que fazer
San Andrés é o destino perfeito para quem gosta de aproveitar o dia na praia, seja para nadar com os peixinhos em suas águas cristalinas ou para descansar na sombra de um coqueiro ouvindo o barulho do mar.
É imperdível fazer a volta à ilha no carrinho de golf e se encantar com cada tonalidade de azul pelo caminho. Entre os principais atrativos da volta à ilha estão West View, uma piscina natural divertidíssima com trampolim e tobogã, Hoyo Soplador, um buraco nas pedras que espirra água do mar quando a onda bate, Rocky Cay, uma ilha em que se chega caminhando com água na cintura e onde está
um enorme navio naufragado.
Outro programa delicioso é fazer os passeios de barco que levam às belas ilhas próximas de San Andrés. Sinta-se num verdadeiro aquário natural nadando com os peixes numa água incrivelmente transparente no Acuario. Depois caminhe até a vizinha Haynes Cay, uma ilha charmosa perfeita para descansar curtindo a paisagem. Encante-se com a paz e tranquilidade de Johnny Cay com suas belas
praias e coqueiros que convidam para uma tarde agradável à beira-mar.
À noite aproveite para caminhar pela orla, jantar num bom restaurante ou curtir uma música na boate Coco Loco.
Principais Atrativos:
Playa Peatonal
– É a praia do centro, com boa estrutura de barraca e cadeira de praia e um mar encantador. Em frente à praia está a ilha Johnny Cay. Possui um extenso calçadão cheio de lojinhas e restaurantes agradáveis e onde só transita pedestres. Ótimo para caminhar de dia ou de noite, sentar nos banquinhos e admirar o azul do mar.

 Volta à ilha:
É um passeio obrigatório e ideal para ser feito no primeiro dia para dar uma visão geral da ilha e depois ficar à vontade para voltar nos lugares que mais gostar. A forma mais tradicional de fazer a volta à ilha é alugando um carrinho de golf (90.000 COP a diária). Também tem a opção de fazer num ônibus colorido
chamado chiva, bem no estilo city tour.
Principais paradas da volta à ilha:
Hoyo Soplador (buraco soprador):  É uma fenda no meio das pedras que sopra ar (e água também) devido à força das ondas do mar que quebram nos corais. O buraco fica no chão e  basta ficar próximo
esperando uma onda aparecer e presenciar o fenômeno. Mas cuidado que molha muito quando a onda bate mais forte. O hoyo soplador fica no extremo sul da ilha e normalmente fica cheio de turistas. Uma dica é ir até o restaurante Punta Sur, que tem um hoyo soplador próprio ( e bem mais vazio), além de uma piscina deliciosa.

Westview: Uma piscina natural divertidíssima com trampolim e um tobogã que cai direto no mar. Possui uma boa estrutura de restaurante, mesa e cadeiras de madeira, banheiros, aluguel de boias e coletes salva-vidas, lockers.  É ótimo para fazer snorkelling, possui vários peixes.

É aqui também que se faz o passeio Aquanautas, uma caminhada no fundo do mar com escafandro.
La Piscinita: É uma piscina natural no meio do mar cercada por pedras, no mesmo estilo de Westview,
só que mais simples e mais vazio também. Se já foi no West View não precisa ir na Piscinita, que é a mesma coisa.

Rocky Cay: É uma ilha na qual se chega caminhando com água pela cintura a partir da praia Cocoplum, uma praia com água calminha e um trecho de areia com uma área all inclusive para os hóspedes da rede Decameron. Hospedando-se em qualquer hotel da rede Decameron, você terá aceso ao sistema all incluse dessa praia. A grande atração do lugar é um navio encalhado que foi trazido pela força do furacão Katrina. O local é bom para fazer snorkelling também. É importantíssimo levar a sapatilha de neoprene nessa ilha, porque ela é cheia de corais.

San Luis: um bairro tranquilo localizado na parte leste da ilha com casinhas de madeiras e uma praia mais rústica e sossegada, com areia branquinha, muitos coqueiros e um mar com várias tonalidades de azul. É uma região com muitos corais também e é um ótimo local para fazer snorkelling.

As praias não possuem muita estrutura de barracas como a Peatonal,  mas é um ótimo local para ficar mais reservado.

Cueva de Morgan: Eu não visitei porque li que não tinha muita graça, mas se tiver com tempo sobrando e gostar de lendas de piratas deve ser legal. A caverna de Morgan é um local onde dizem que o Pirata
Henry Morgan escondeu um tesouro. Possui um museu que conta um pouco da história de San Andrés.
Acuario e Johnny Cay: É um passeio de barco que sai do porto de San Andrés e visita as duas ilhas Acuario e Johnny Cay no mesmo dia. O passeio custa 15.000 COP.
O Acuario é uma pequena ilha com águas muito transparentes e com muitos peixinhos, onde a pessoa se sente dentro de um aquário. A ilha é pequena, mas possui o mínimo de infraestrutura como banheiro, lanchonete, aluguel de snorkeling, sapatilha e locker.

A ilha possui uma faixa de areia na frente, por onde chegam os barcos e uma parte de arrecifes que formam uma piscina natural. Dá pra ver muitos peixes de vários tamanhos, vi muitos peixes grandões nadando do meu lado.

Ao lado do Aquário está Haynes Cay, uma ilha muito charmosa que dá pra ir caminhando cerca de 200 metros com água na cintura.
É aqui que é feito o passeio Mantarrayas, onde é possível ver, tocar e até alimentar as arraias. Apesar se ser aqui no Acuario, esse passeio é vendido separadamente com saídas no fim da tarde. Eu observei que alguns barcos vão primeiro para o Acuario e depois para Johnny Cay (que foi o meu caso) e outros fazem o contrário, o que permitiria estar no Acuario à tarde e cruzar com alguma arraia no caminho.

Jonnhy Cay é a ilha que fica em frente à Playa Peatonal e normalmente é visitada junto com o Aquário.

A ilha respira tranquilidade e nos  convida para relaxar e apreciar sua beleza. Possui um amplo gramado com muitos coqueiros no centro da ilha, onde as pessoas aproveitam para deitar e descansar à sombra. Um lado da ilha possui uma faixa de areia maior, boa para banho e o outro lado, mais sossegado, possui corais que formam pequenas piscinas naturais.
Vale a pena fazer uma caminhada ao redor da ilha e conhecer seus encantos. Os restaurantes da ilha servem um almoço delicioso com um bom preço, 23.000 COP o prato de peixe, arroz de coco, salada e patacón com bebida inclusa.

Mantarrayas: É um passeio de barco que vai até o Acuario para ver as arraias, tocá-las, tirar fotos. Antes o barco passa para conhecer o mangue de San Andrés, onde foram filmadas cenas do filme Anaconda e depois segue para o Acuario. O passeio tem duração de 2 horas e sai no final da tarde por volta das 16h retornando às 18h. As arraias são enormes, mas  eles garantem que não há perigo nenhum, pois elas são bem dóceis.

Cayo Bolívar: É uma ilha paradisíaca distante cerca de uma hora de San Andrés. O passeio é feito em lancha rápida, saindo às 8h e retornando no fim do dia e custa 180.000 COP. Cayo Bolívar é um dos lugares mais lindos de San Andrés, mas infelizmente não fiz esse passeio, porque o trajeto até lá é muito
conturbado. Segundo relatos, você vai o tempo todo sofrendo com as ondas batendo forte e tomando água na cara. Não tinha condições de fazer esse passeio porque eu estava com criança, mas deve valer a pena. Se quiser conhecer Cayo Bolívar reserve assim que chegar, porque dependendo das condições do mar o passeio não sai.
Mergulho: O mergulho é uma atividade muito procurada em san Andrés por seu mar repleto de vida marinha e pela visibilidade da água. Além disso a temperatura da água é bastante agradável.
Compras: San Andrés é uma zona de livre comércio, onde não se paga imposto, o que é ótimo para quem adora fazer umas comprinhas. O centro possui várias lojas de marcas como Benetton, Vitoria Secrets, MAC e muitas lojas La Riviera (uma loja estilo Duty Free). Os preços para perfumes e bebidas são melhores que no free shop. Na La Riviera tinha muita coisa em promoção, perfumes e maquiagens com 40% de desconto.
Dicas:
  • Assim que chegar em San Andres compre uma sapatilha de neoprene, vai ser fundamental em
    muitos passeios para não cortar os pés nos corais. Essas sapatilhas estão à venda em qualquer lojinha do centro e nos locais turísticos. Custa cerca de 10.000 COP.
  • Durante os passeios de barco procure sentar na parte de trás, que bate menos, e de preferência no meio, porque nas laterais molha muito, então proteja bem suas coisas que não podem molhar, colocando em sacos plásticos impermeáveis.
  • Carrinho de golf: O aluguel custa em média 90.000 COP (já com a gasolina incluída), podendo ser mais caro ou mais barato dependendo do tipo de carrinho e do local. Na primeira vez alugamos um na Millenium pó 90 mil e no outro dia alugamos numa locadora ao lado da Millenium por 80 mil. Você pega o carrinho pela manhã e devolve no fim do dia. Em tese é proibido circular com eles à noite. Os carrinhos básicos acomodam 4 pessoas e há outros maiores que acomodam até mais. Verifique se a gasolina já está incluída no preço (você deve receber o carrinho com o tanque cheio e devolver sem precisar completar o tanque) e se é suficiente para dar a volta completa. Li histórias de gente que ficou no caminho sem gasolina. Não precisa ter carteira de motorista para dirigir o carrinho de golf e também não tem mistério nenhum. O carro não possui marcha, nem acelerador, apenas um pedal de stop e GO. Também não tem retrovisor, então o jeito é se virar nos 30. É bem fácil dirigir por lá, é
    apenas uma estrada principal que contorna a ilha. O centro é a parte mais chatinha, com trânsito e outros carros para atrapalhar, mas eles já estão acostumados com os carrinhos de golf e respeitam.

Onde comer

La Regata: Considerado o melhor restaurante da ilha, o La Regatta fica numa localização privilegiada, com uma linda vista do mar, ideal para apreciar um belo pôr-do-sol. A decoração é linda, do lado de fora várias garrafas vazias empilhadas formando um lindo caminho até o restaurante e dentro todo de madeira e com quadros e objetos de marinheiro. Sentamos na varanda e até vimos uma arraia passando em baixo de nós. Comida excelente e bom preço se comparado aos restaurantes desse nível no Brasil.

Casa Blanca: É o restaurante do Hotel Casa Blanca e é do mesmo dono do restaurante tailandês Mahi Mahi, que fica ao lado. Em qualquer deles você recebe o cardápio dos dois restaurantes. Comida muito bem feita e atendimento de primeira. Fica no calçadão da Peatonal.

Mahi Mahi: É um restaurante tailandês maravilhoso. Fica ao lado do Casa Blanca e sentando em qualquer um você tem acesso ao cardápio de ambos. Os pratos são muito bem servidos e com um temperinho super diferente. Comi um peixe cortado em cubinhos coberto com um molho muito bom.

Mister Panino: É um restaurante italiano muito bem recomendado por todos e com ótimo custo-benefício. Quem me indicou foi a Lola, a recepcionista do hotel Noblehouse e ela acertou em cheio. O restaurante é pequeno e charmoso, fica escondidinho numa galeria, mas tem um boneco italiano bem grande na calçada. Eu pedi o macarrão à carbonara e estava divino. Além disso, os pratos ficam
prontos super rapidinho. Eles também tem o menu do dia com entrada, prato principal e sobremesa. Não esqueça de perguntar por ele.

Interstate 80´s: É um restaurante estilo americano que serve hambúrger, pizza, costela. A decoração é bem interessante, toda com objetos dos anos 80, brinquedos, discos de vinil, quadros com propagandas da época, bem legal. Ao lado estão outros restaurante do mesmo dono, o mexicano Lupita´s e uma lanchonete. Sentando em qualquer deles você pode escolher itens do cardápio dos demais.

Lupita´s: É um restaurante mexicano do mesmo dono do Interstate 80´s. A comida é excelente, muito saborosa. Pedi um taco de entrada que já valia como uma prato principal. O burrito também é delicioso e muito bem servido. A decoração é linda e aconchegante.
Kikiriki: É uma rede de fast food de frango muito conhecida por lá. Não fui nesse restaurante, mas vi muita gente fala dele.
Crepes e Waffles: Esse é meu queridinho desde que o conheci na primeira vez que visitei a Colômbia, pena que só tem em Bogotá. Vale a pena dar uma passadinha no restaurante do aeroporto e experimentar os deliciosos crepes salgados e waffles doces. Tem também outras deliciosas opções de refeições.
Dicas:
  • Experimente a limonada de coco, bebida típica e deliciosa.
  • Outra bebida típica é o Coco Loco, um drink que vem dentro do coco muito vendido nas praias.
  • O ceviche é preparado com ketchup, eu não gostei muito e pedia pra fazer sem ketchup, no estilo peruano mesmo.
Roteiro dia-a-dia
1° Dia – Rio de Janeiro – San Andrés
Nosso voo partiu do Galeão às 08:40h da manhã com destino a San Andrés e escala em Bogotá. Fomos de Avianca, uma excelente companhia aérea, ótimo atendimento, as poltronas eram muito confortáveis, telas de TV individuais com muitos filmes recentes maravilhosos.
Assisti o filme Wild e Teoria de tudo. Foi servido um café da manhã delicioso e mais tarde um sanduíche. Foram 6 horas de voo e chegamos às 13h em Bogotá. Na Colômbia são duas horas a menos que no Brasil.
A imigração foi rápida, não fizeram muitas perguntas nem pediram certificado internacional de vacinação contra febre amarela. As malas só seriam retiradas em San Andrés.  O tempo de conexão era 6 horas, então resolvemos almoçar no restaurante Andrés Carne de Res, que fiquei com vontade
de ter conhecido na minha viagem para Cartagena o ano passado, mas não deu tempo. Trocamos um pouco de reais no aeroporto e fomos almoçar. O restaurante fica num bairro nobre de Bogotá, com muitas lojas de grife e dentro de um shopping muito bonito. A decoração do restaurante é linda, são 4 andares pegar na internet.
Depois do almoço pegamos um táxi até o terminal doméstico, de onde sairia nosso voo para San Andrés. Compramos a tarjeta turística e embarcamos. Foram 2 horas de voo até San Andrés. Uma dica
importante é ser rápido no desembarque e ir correndo para a fila de imigração, que costuma ser grande e demorada. Pegamos nossas malas e seguimos para a Posada Miss Marly, que ficava bem próxima do aeroporto. O táxi custou 12.000 COP.
Gostei muito da Posada Miss Marly, que na verdade é um apartamento bem grande no segundo andar, com 2 quartos, sala, cozinha, banheiro, ambiente bem mobiliado e decorado. Reservei apenas a primeira noite porque queria procurar melhor quando chegasse.
2° Dia – Volta à ilha
Fizemos o checkout e deixamos nossas malas na recepção para pegar depois de definir o hotel. Fomos caminhando da Posada até o centro para ir conhecendo. A caminhada levou uns 20 minutos e já ficamos encantados com o azul de San Andrés. A praia do centro é muito bonita, com a ilha de Jonny Cay bem na frente.
Alugamos um carro de golf na Milenium por 90.000 COP e fomos ver uns hotéis. Primeiro fomos no Glad’s Place, depois fomos no Hotel Noblehouse, que ficava ao lado. Gostamos mais do Noblehouse, já que tinha café da manhã e era o mesmo preço. O Hotel Noblehouse fica numa localização excelente, numa das ruas principais do centro, com muitas lojas e restaurantes próximos. A praia fica na rua de trás. Os quartos tem ar condicionado, chuveiro quente e uma varandinha. O café da manhã é servido na
mesa, você escolhe os itens do cardápio que vai querer e vem em porções. Tem frutas, omelete, salsicha, sanduíche, iogurte, cereal, entre outros. Eu sempre pedia omelete completo e sanduíche de jamon y queso.
Fechamos 5 noites e ganhamos um desconto para pagamento em dinheiro, 180.000 COP a diária.
Depois de fechado o hotel começamos nossa volta à ilha de carrinho de golf. Dá vontade de parar a cada
momento, a cada tonalidade de azul diferente, para admirar e tirar fotos.
Sempre achava que tinha que parar porque estava lindo demais e mais na frente ficava ainda mais bonito.
Paramos para almoçar no restaurante Rincón de La Langosta, um restaurante com uma linda vista. Tinha também umas escadinhas para descer e nadar ali mesmo enquanto espera o almoço ficar pronto. Muito gostoso o lugar. Pedimos um filete de pescado acompanhado de arroz de coco, salada e patacón (bem básico, praticamente todos os pratos são assim). Gostei bastante do arroz de coco, é docinho, uma delícia.

Após o almoço continuamos a volta à ilha e paramos na praia Rocky Cay, uma praia linda onde se encontra um navio naufragado que ficou encalhado próximo à praia pelo furacão Katrina. Nessa praia existem vários restaurantes, cadeiras e guarda-sol para alugar e locker para deixar as coisas também. Nós guardamos nossas coisas num locker e fomos caminhando até a ilha que tem bem na frente da praia. A água fica o tempo todo na cintura e chegando lá, dá pra subir na ilha e ver o navio naufragado de perto. É importante estar com os sapatinhos de neoprene nesse momento, porque a ilha é cheia de corais. Ficamos um tempo fazendo snorkeling e depois voltamos para a praia. Ficamos mais um pouco e seguimos com a nossa volta à ilha.

Já estávamos perto do centro, então foi só terminara volta mesmo. Fomos na Posada Miss Marly buscar nossas malas e seguimos para o Hotel Noblehouse.
À noite caminhamos pela orla e jantamos um ceviche no quiosque do centrinho. A orla de San Andrés é ótima para caminhar, possui vários restaurantes à beira-mar, barzinhos e  lojas. O centrinho é bem agitado, com várias lojas, principalmente da Riviera, uma rede de lojas de free shop só que com preços ainda melhores. San Andrés é uma zona franca, ótimo para quem adora umas comprinhas. Os preços dos perfumes estavam bem mais baratos que no Free Shop, a Riviera era a loja com melhores preços e ainda tinham muitos produtos em promoção de  40, 50%.
3° Dia – Passeio Acuario e Johny Cay
Após o café reservamos o passeio para o Acuario e Johny Cay na recepção do hotel. O passeio custou 15.000 COP por pessoa e saiu às 9h da manhã com retorno às 15h. Fomos até o porto e lá pagamos uma taxa turística para ingressar na ilha. Em seguida embarcamos numa lancha rápida em direção ao Acuario de San Andrés.
Dica importante: Se você tem problema de coluna, não sente nos primeiros bancos porque a lancha pula demais e machuca a coluna.
Dica 2: Leve sapatinho de neoprene e snorkel

A viagem é bem rapidinha, uns 10 minutinhos e já chegamos no Acuario. O Acuario é um banco de areia rodeado de corais, onde é possível ver inúmeros peixes como se você estivesse dentro de um aquário mesmo. O local possui restaurante e lockers para guardar as coisas. Lá também vende sapatilhas de neoprene e máscara de snorkel para quem quiser comprar ou alugar. Assim que chegamos guardamos nossas coisas no locker e fomos nadar. A cor da água é linda demais, um azul maravilhoso e é tão transparente que dá pra ver os peixinhos do lado de fora. Assim que chegamos vi vários peixes enormes nadando do nosso lado, mas depois ficou um pouco cheio e os peixões fugiram.

Ao lado do Acuario está a Ilha Haynes Cay, onde é possível chegar caminhando / nadando dependendo da maré.
Depois de conhecer o Acuario voltamos para a lancha e seguimos para a ilha de Johny Cay, que é a ilha que fica bem em frente à Playa Peatonal. Chegando lá o guia reuniu o grupo e explicou o funcionamento da ilha e perguntou quem gostaria de reservar o almoço. Nós aproveitamos para almoçar logo e pedimos o prato de filete de pescado. Estava delicioso, filé de peixe com arroz de coco, salada e patacón e ainda acompanhava uma bebida. O prato custou 23.000 COP. Após o almoço fomos conhecer a ilha, caminhamos pela praia, fizemos snorkeling e curtimos o lindo visual.
A ilha é uma delícia, perfeita para uma tarde relax na beira da praia, tomando água de coco e curtindo o som de reggae.
No meio da ilha existe um gramado com muitos coqueiros, esticamos a canga ali e descansamos um pouco. Perto da hora de ir embora caiu uma chuva, mas logo depois parou de chover e o sol voltou a brilhar forte.
Nossa lancha disponibilizou dois horários de retorno, 13:30h ou 15:30h. Voltamos às 15:30 para San Andrés.
À noite jantamos no restaurante La Regatta, um restaurante muito bonito à beira-mar. Pegamos uma mesa lá fora para aproveitar o cenário e o lindo pôr-do-sol. Pedimos um prato que era um mix de frutos do mar, com lagosta, camarão, pescado, lula. Estava delicioso.
Enquanto jantávamos passou uma arraia enorme bem do nosso lado, foi demais. Gostei bastante desse restaurante.
4° Dia – Praia Peatonal

Passamos a manhã na praia do centro de San Andrés. A praia é ótima para banho e possui vários pontos para alugar cadeira e barraca. A cor da água é espetacular e a ilha de Johny Cay na frente completa a paisagem.

Almoçamos no restaurante Mr Panino, um restaurante italiano muito bem recomendado que ficava na rua do nosso hotel. Pedi um macarrão à carbonara delicioso e veio super rápido, o que é raro em San Andrés. À tarde passeamos pelo centro, vimos as lojas e descansamos.

À noite jantamos no Interstate 80´s, um restaurante todo decorado com objetos dos anos 80. Bem legal a decoração, cheio de brinquedos daquela época, discos, etc. Eles também oferecem o cardápio do Lupita´s, um restaurante mexicano que fica ao lado e é do mesmo dono.
5° Dia – Mantarrayas
O dia amanheceu chuvoso e não ficamos no hotel descansando. Almoçamos no restaurante do Hotel Casa Blanca. O local é lindo, bem decorado e os pratos deliciosos. Eles também oferecem o cardápio do restaurante Mahí Mahí, que fica ao lado e é do mesmo dono.

À tarde dei uma volta na orla e comprei o passeio mantarrayas para 16h. O passeio mantarrayas é feito no Acuario e basicamente é interagir com a arraia, tocar nela e tirar foto. Antes porém, a lancha passa no mangue de San Andrés, onde foram filmadas cenas do filme Anaconda. Na verdade eu esperava mais desse passeio. Eu gosto mais da ideia de interagir com os animais soltos no seu ambiente, pensei que as arraias estariam nadando perto de mim, mas na verdade era um garoto segurando uma arraia e um monte de gente em volta querendo ver. No final das contas, valeu pelo passeio em si, porque eu não iria fazer nada mesmo nesse dia, então foi legal ir novamente ao Acuario e ficar mais tempo por lá.

À noite jantamos no Lupita´s os tacos e os burritos são deliciosos e muito bem servidos.
6° Dia – Volta à ilha – West View e Punta Sur
Alugamos novamente um carrinho de golf para dar outra volta à ilha parando em lugares diferentes.

Paramos várias vezes para tirar fotos em locais estratégicos com os diversos tons de azul.

Paramos num lugar todo decorado com balanços em frente um bar estilo reggae, mas logo apareceu a dona querendo cobrar para tirar foto ali e fomos embora.

Depois fomos para West View, uma piscina natural com trampolim e tobogã. Esse lugar é simplesmente maravilhoso. A entrada custa 4.000 COP e tem restaurante, banheiro, mesas e cadeiras, lockers, aluguel de macarrão e colete. O mar aqui é lindo e forma uma piscina natural calminha, ótima para tomar banho. A água é bem transparente, ótima para ver os peixinhos. O tobogã e o trampolim fazem a diversão das crianças e dos adultos. Passamos a manhã toda ali.

Depois fomos almoçar no restaurante Punta Sur, que fica no extremo sul da ilha. O restaurante tem uma linda vista para o mar e uma piscina deliciosa na área externa. A decoração é toda de madeira, bem rústica. Tem um deck e um hoyo soplador próprio.

Ficamos aproveitando a piscina enquanto esperávamos o prato ficar pronto.

A comida em si foi o ponto fraco do restaurante, não estava tão saborosa, era bem normal e cara para os padrões da ilha, além de demorar muito, mais de 1 hora. Valeu a pena pelo ambiente mesmo.
Continuamos a volta à ilha e demos uma parada na Playa San Luis e depois voltamos para o centro.
À noite jantamos no Mahí Mahí, um restaurante de comida tailandesa maravilhoso.

 

0 Comentários
Escreva seu comentário
Comente via facebook
Instagram
@seguindo_viagem
css.php