Fechar
Destinos Internacionais, Ecoturismo, Neve, Ushuaia

Ushuaia

05 de janeiro de 2015
Ushuaia é uma cidade do extremo sul da Argentina, capital da Província da Terra do Fogo, um lugar lindo, entre a Cordilheira dos Andes e o mar. Seu nome significa Baia voltada ao oeste.
Ushuaia também é conhecida como Fim do Mundo por ser a cidade mais austral do mundo, isto é, a mais próxima do Pólo Sul.
A primeira coisa que você precisa saber é que na Argentina a palavra Ushuaia não se pronuncia com som de CH como nós fazemos, e sim com som de SS, “USSUAIA”.
Quando o navegador português Fernão de Magalhães explorava a região patagônica, ficou impressionado com a quantidade de fogueiras indígenas acesas nas margens do estreito que hoje leva seu nome e batizou a região como Tierra del Fuego. O fogo era a melhor garantia contra o frio numa região assolada por temperaturas gélidas, vento do mar e muita chuva.
A região da Patagônia foi habitada pelo homem há milhares de anos e foi colonizada pelos europeus, que instalaram missões para catequizar os índios, porém eles logo começaram a desaparecer devido às doenças trazidas pelos colonizadores.
A cidade cresceu lentamente ao longo da primeira metade do século XX, organizando-se em torno da instalação de um grande presídio, que trouxe muitos funcionários administrativos e atraiu novos colonos, mas também fez com que se formasse uma impressão sombria sobre o local.
A partir da metade do século o presídio foi extinto, a cultura se diversificou e o progresso se deu mais rápido, com a instalação de diversos serviços, a melhoria na infraestrutura urbana e a criação de incentivos governamentais para a fixação de novos residentes. Atualmente a cidade é um importante pólo turístico da Argentina e se tornou famosa com o slogan da cidade mais austral do mundo.
 Melhor época:
Se a intenção for ver a neve e praticar esportes de inverno, vá entre junho e setembro. Já se for para fazer trilhas e outros passeios, vá no verão, entre outubro a maio quando os dias são mais longos e as temperaturas mais amenas.

Clima

O clima da Patagonia é gelado o ano inteiro, mesmo no verão as temperaturas são bem baixas e no inverno as temperaturas podem ser negativas. O clima também é bastante instável e traiçoeiro. É muito comum no mesmo dia fazer sol, chover, nevar e depois fazer sol de novo. Estive em Ushuaia em outubro de 2014 e nevou dois dias na cidade.

Como chegar

Avião
Para voar até Ushuaia é necessário uma escala em Buenos Aires. A Aerolíneas possui uma boa oferta de voos saindo do Rio de Janeiro para Ushuaia.
Eu comprei minha passagem com milhas da Gol, na opção de voar com companhias parceiras. Comprei a ida para Ushuaia e a volta de El Calafate. Custou 10.000 milhas cada trecho com a Aerolíneas Argentinas em outubro de 2014. O trecho de Ushuaia a El Calafate foi percorrido de ônibus, passando em Punta Arenas e Puerto Natales, com o objetivo de conhecer o Parque Nacional Torres Del Paine, no Chile.
Cruzeiro
A partir do Chile ou de Buenos Aires é possível embarcar em cruzeiros para Ushuaia. Algumas companhias com roteiros que incluem Ushuaia são a Cruceros Australis e a Princess Cruises.
Ônibus
A partir de Buenos Aires são 3 mil quilômetros pela Ruta Nacional e é preciso atravessar de balsa o Estreito de Magalhães.

Quanto tempo ficar

Ficando de 4 a 5 dias é possível conhecer o principal de Ushuaia, mas existe opções de passeios para mais dias, dependendo do que se pretende fazer na cidade, se é para a prática de esportes de inverno, por exemplo.  A cidade pode ser inserida em um roteiro pela Argentina ou Patagonia Argentina e Chilena.

Que moeda levar

Leve dólares ou reais e não use o cartão de crédito. Na Argentina o câmbio paralelo é muito melhor que o oficial, enquanto o oficial estava 1 dólar a 8 pesos, o paralelo estava 1 dólar 14 pesos. Encontrei uma excelente cotação para o real também, 1 real a 5 pesos. Eu tinha levado dólares e reais e acabei trocando só o real e troquei dólar apenas no Chile. A melhor cotação de Ushuaia fica numa casa de câmbio dentro do Antartica Hotel, Rivadavia 172, Ushuaia.
Algumas lojas também aceitavam reais e dólares com boa cotação, como a loja de chocolate Laguna Negra.

Brindes e descontos

É possível conseguir alguns brindes ou descontos na cidade com flyers disponíveis em hotéis, agencias de viagem ou sendo distribuídos nas ruas.
Comprando o passeio da navegação no Canal de Beagle com a Canoero ganhei um voucher para pegar um chocolate quente grátis na loja Laguna Negra e um “brinde” na loja de souvenir “A última Bita”.
Durante o embarque no passeio do canal de Beagle ganhei um voucher para retirar um brinde na H Stern, um lindo pingente de pinguim.

Onde ficar

Recomendo se hospedar no centro para ficar perto dos restaurantes e principais atrações da cidade. Fiquei no Antarctica Hostel (Antártida Argentina, 270). Hostel excelente! Boa localização, quarto com calefação e com o chão feito de um material que não esfria, ou seja, dava pra nadar descalço dentro do quarto. Tem cozinha compartida e locker nos quartos. Café da manhã muito bom com pão, manteiga, doce de leite, suco, cereal, leite, café e ovos. Foi o melhor café da manhã de todos os hostels que fiquei na Patagônia. O banheiro é no estilo vestiário e bem limpo.

O que fazer

A cidade conta com muitos atrativos naturais como o Parque Nacional Terra do Fogo, o Canal de Beagle, a “Pinguinera” e glaciares. Além disso, Ushuaia possui vários museus interessantes, como o Museu do fim do Mundo e o Museu do Presídio.
Há muitas coisas para se fazer no centrinho de Ushuaia:

Porto

O Porto de Ushuaia tem um calçadão bem legal para caminhar e admirar o Canal de Beagle. É lá também que você vai tirar a famosa foto na plaquinha do Fim do mundo. No Porto também funciona um posto de informações turísticas e uma feirinha de artesanato.

Av San Martin

A principal rua de Ushuaia possui vários restaurantes e lojinhas interessantes. Há lojas Duty Free, de souvenirs, de chocolates, de roupas esportivas, entre outras. Tem também muitos outlets ao longo da Avenida.

Carimbar o passaporte

No Centro é possível carimbar o passaporte com a estampa “Ushuaia – fin Del mundo” nos escritórios de informações turísticas ou em algumas agencias (na Info Ushuaia está disponível). Também ha selos em agencias e nos correios, que fica na avenida San Martin.

Museus

Museu do fim do mundo 
Localizadas em um edifício onde funcionou um banco entre 1910 e 1978, as cinco salas desse pequeno museu são dedicadas à história da ilha e de seus habitantes. O acervo abriga, entre outros, objetos de uso diário dos yamanas – os primeiros moradores do arquipélago, uma réplica do navio utilizado por Darwin em sua viagem pelo continente sul-americano e uma sala dedicada ao banco que ocupou o local antes do museu.
Calle Maipu 173
Fecha aos domingos
Museu do Presídio e Museu Marítimo
Com exceção feita às atrações naturais, esse é provavelmente o passeio mais curioso de Ushuaia. Localizado no antigo edifício do temido presídio de Ushuaia, o museu proporciona ao visitante a experiência de visitar celas e corredores por onde circularam os detentos mais perigosos da época e que começaram a chegar ao local a partir de 1896. Um dos pontos altos do passeio é a visita a uma ala que se encontra tal como foi deixada quando foi fechada em 1947.
O Museu Marítimo encontra-se no mesmo local e abriga uma coleção de objetos marítimos, como maquetes navais e cartas de navegação que recontam a história da colonização da região, bem como aspectos gerais da fauna local.
O presídio foi fundamental para o desenvolvimento de Ushuaia. Nos cinco pavimentos existentes funcionam hoje o Museu do Presídio, incluindo um pavimento mantido sem móveis, com a construção original, o Museu Marítimo, além de galerias de artes, lanchonete, lojas de souvenir e agência de correios. Também há uma reprodução em tamanho real do Farol do Fim do Mundo verdadeiro. Pode‐se visitar o Museu do Presídio sozinho, em visita guiada ou visita teatralizada. Esta última é oferecida às segundas, quartas e sextas às 20h, mas é preciso chegar bem antes (e somente maiores de 15 anos podem ir). O passeio é feito com a companhia de atores e os visitantes vestem roupas de presidiários.
O bilhete é valido por 48 horas.
Aberto todos os dias de 9h às 20h.
Museu Yamana
Conta a história dos Yamanas, povos indígenas nômades e caçadores que viviam em pequenos grupos familiares na região da Patagônia. O interessante é que os Yamanas andavam nus naquele frio, eles passavam gordura no corpo para se proteger da baixa temperatura e utilizavam o calor das fogueiras. Se alimentavam da proteína do guanaco, foca, leão-marinho e de pequenas baleias. Os yamanas mudavam de acampamento viajando de canoa, zelando por pequenas fogueiras acesas sobre montes de areia dentro das embarcações. Suas mulheres eram ótimas nadadoras e mergulhavam no mar gelado em busca de mariscos.
Foram dizimados por doenças de brancos como sarampo e varíola e por hábitos trazidos pelos europeus como o uso de vestimentas, que em virtude do clima inóspito da região, eram utilizadas quase sempre úmidas, induzindo surtos de resfriado, pneumonia e tuberculose.
 Rivadavia 56,
Aberto todos os dias de 10h às 20h (40 pesos).
Estancia Harberton e pinguineira da Isla Martillo
Um clássico da Terra do Fogo é esse passeio conjugado que visita uma fazenda histórica da região e a colônia de pinguins da ilha Martillo. Declarada Monumento Histórico Nacional, a fazenda é do final do século 19 e se encontra a 60 km de Ushuaia, por mar. O tour guiado de uma hora de duração inclui visita
às antigas instalações da fazenda, cuja arquitetura original foi preservada, caminhadas por bosques e um pequeno museu com a história da família.
Os 20 mil hectares abrangem também um setor conhecido como Isla Martillo que serve de habitat para mais de 6 mil pinguins, entre outubro e abril. O local pode ser visitado a partir de passeios em catamarã ou com caminhadas controladas a partir da própria fazenda.
Geleira Martial
Durante o inverno, o Cerro Martial é utilizado para prática de esqui. Nos demais meses, a subida até o glaciar possibilita uma linda visão da cidade de Ushuaia, do Canal de Beagle e das ilhas navarino (pertencentes ao Chile). É a principal fonte de água potável de Ushuaia e conta com atividades para os aventureiros durante todo o ano. Nos meses mais quentes, caminhadas auto guiadas com diversos níveis de dificuldade e com até um dia inteiro de duração podem ser feitas a partir da base da montanha. O complexo possui uma pista principal com 1300 metros de extensão e três pistas menores para esquiadores de nível intermediário.

Princiais Passeios

Navegação pelo Canal de Beagle
O roteiro passa por ilhas do arquipélago Bridges como a Isla de los Pájaros – local habitado por aves como cormorão, pato e albatroz, e a Isla de los Lobos – onde podem ser vistos leões marinhos. O farol Les Eclaireurs, um dos cartões postais da Terra do Fogo, também está incluído no passeio e marca para os navegadores a entrada da Baía de Ushuaia. Com duração que varia de 3 a 8 horas, esse é um passeio obrigatório para todos que visitam a região. Os passeios podem ser contratados nas diversas agências da Av San Martin e no Porto.
A navegação pode ser feita em catamarãs ou veleiros da empresa Tres Marias
1-  Tres Marias
É a opção de navegação mais concorrida em Ushuaia. A Três Marias é a única que oferece esse passeio num barco pequeno (Motoveleiro) ou num veleiro (“If”). A navegação inclui a Ilha dos pássaros, a Ilha dos lobos, o farol e trekking na Isla H.
As principais vantagens dos veleiros pequenos é que eles se aproximam mais das ilhas, possibilitando uma melhor observação dos pássaros e dos lobos e levam poucas pessoas. Além disso, eles são os únicos que descem na Isla H que é uma reserva controlada que só eles tem autorização para fazer trekking.
Outra vantagem é que com ventos um pouco mais fortes, só o veleiro consegue sair, por ser mais pesado, então as chances de cancelamento são menores.
 A desvantagem é o frio maior, além de balançar mais.
2-   Catamarãs
Basicamente as empresas oferecem 2 tipos de passeios:
– 3h de duração: Vai até o Farol do Fim do mundo, passsando pelas ilhas dos passáros e dos lobos.
– 5h de duração: Passa pelas ilhas dos pássaros, ilha dos lobos, farol e vai até a pinguinera (não desembarca na ilha, o barco chega bem perto da praia e é possível ver os pinguins de longe. A única agência que desembarca é a Pira Tur).
Pinguineira
Embora exista mais de uma agência que vende passeio para visitar os Pinguins na Isla Martillo, como é conhecida a Pinguinera, apenas a empresa Piratur tem autorização para descer na ilha e promover o passeio perto dos pinguins, já as demais apenas passam de barco ao redor da ilha. Existe um número limitado de pessoas por dia na ilha, portanto aconselho que comprem este passeio assim que chegarem a Ushuaia.
Parque Nacional Terra do Fogo
Margeado pelo Canal de Beagle, o Parque Nacional Terra do Fogo possui 63 mil hectares e é constituído
por várias trilhas em seu interior, sendo a Costera a mais conhecida e bela, com cerca de 8 km de extensão.
O Parque foi criado em 1960 em um antigo território do povo Yamana. Sua fauna é composta principalmente por raposas vermelhas, lebres e guanacos, além de muitos pássaros.
Dentro do parque estão localizados atrativos como a Baía Ensenada, a Laguna Verde, a Baía Lapataia, Museu Terra do Fogo. Para aqueles que não são amantes das caminhadas, é possível conhecer o parque através do Trem do Fim do Mundo, (www.trendelfindelmundo.com.ar), réplica do histórico trem dos presidiários que era utilizado para abastecer de lenha o povoado. A composição sai da Estación Fin del Mundo, a 8 km km de Ushuaia, e segue em direção ao interior do parque, passando por pontes, bosques
e até a reconstrução de um antigo assentamento dos Yamanas.
Os residentes no Mercosul tem desconto para entrar no Parque. Na entrada você também ganha um
mapa com a sinalização das principais atrações, a distância e duração das trilhas.
Uma atração imperdível do Parque é visitar a agência de correios do fim do mundo, que fica na Baia Ensenada, bem ao lado do início da senda costera. Não deixe de carimbar o passaporte nessa agência, pois é o carimbo mais lindo de todos e o selo ocupa toda a página do passaporte. É legal também mandar um postal dessa agência que é literalmente A Agência do Fim do Mundo.
Principais atrações do Parque:
– Senda Costera – A Senda Costeira é bem bonita e 2/3 da trilha era feita às margens das Bahia Ensenada e Lapataia que nos brinda com belas vistas a cada momento (águas de cores que variavam dependendo do local, montes nevados ao fundo, etc.)
– Castorera – Uma incrível obra de engenharia dos castores, é bem interessante mas é triste ver o estrago que eles fazem na natureza.
Isso porque um cara teve a ideia de trazer uns castores do Canadá para fazer casacos de pele, porém o negócio não deu certo e ele resolveu soltar os bichos no Parque. Os castores constroem barragens nos rios pra morar em baixo no quentinho, e destroem tudo o que veem pela frente. O problema é que aqui não tem urso pra controlar a população dos castores, e as árvores não se recuperam como as canadenses e os bichos estão detonando o parque todo.

– Mirador Lapataia: Esta trilha fica no finzinho do Parque (e do continente americano), e dá pra chegar com o carro pertinho e não andar quase nada. A baía é muito bonita!

Placa com o fim da rota n. 3. Fim da América do Sul

– Laguna Negra: Esta trilha leva a uma lagoa, que é na verdade um turbal, um depósito de matéria orgânica de milênios. A tal lagoa não é tão bonita, mas a trilha para chegar lá é. Fácil também.

– Lago Roca: Fica na área de camping, logo depois do Centro de Visitantes. Tem uma trilha que sai daqui e chega até a fronteira com o Chile.
– Baía Ensenada: Dá pra chegar de carro, e é bem bonita. Um vento absurdo, que entorta as árvores! É onde está localizada a agência de correio do fim do mundo
– Río Pipo: A trilha tem uns 3km, mas é tranquila. Só não tem muita coisa pra ver. O rio é bem calminho, e a “queda d’água” no final não passa de um estreitamento do rio entre as pedras. Mas as montanhas em volta são lindas!
Cerro Castor
A pista de esqui mais austral do continente se encontra a 26 km de Ushuaia e conta com 30 km de pistas distribuídas em vinte e cinco cursos para todos os níveis. No total, o complexo conta com 800 metros de desnível esquiável e uma área de 600 hectares. A lista de serviços inclui aluguel de equipamentos, como botas e esquis, aulas em grupos e particulares, tanto para esqui como para snowboard, bar, restaurante e um lodge localizado na base do Cerro Castor.
Lagos Escondido e Fagnano em 4×4
Os Lagos ficam fora de Ushuaia, os roteiros oferecidos são em veículos 4×4 e inclui transporte desde o hotel e almoço no chalé no meio da floresta (parrila incluindo tábua de frios, carnes, linguiças, salada,vinho, refrigerante, água).
Saímos do hotel por volta de 9h, fizemos uma parada na estrada em uma estação de esqui onde vimos os cães que são usados nos passeios com trenó no inverno, e avistamos com ajuda do guia o Lago Escondido (com a nevoa da manhã ele estava fazendo jus ao nome e da estrada muita gente podia nem se dar conta dele).
Seguimos por meio do bosque ate o Lago Fagnano, onde tivemos tempo para passear e depois almoçamos a parrilla preparada pelos motoristas. O churrasco é delicioso muito completo com carnes e uma salada bem gostosa.

Dicas Ushuaia


1. Fique no mínimo 4 dias na cidade.

2. A Navegação pelo Canal de Beagle é o passeio mais tradicional de Ushuaia, com uma parada no famoso Farol do Fim do Mundo.

3. Visite o Parque Nacional Tierra del Fuego e vá até o local onde termina a Rota 3, que corta a América do Sul de Norte a Sul.
4. Para quem gosta de trilhas recomendo fazer a Senda Costeira (3 horas) e a Lapataia ( 1 hora) no Parque Nacional Tierra del Fuego.
5. Dentro do Parque está a agencia de correio do Fim do Mundo. Não deixe de carimbar o passaporte e mandar um postal com o selo do Fim do Mundo.

6. O Passeio de 4×4 nos Lagos Escondido e Fagnano é imperdível.
7. Visite o Museu do Presídio e o Museu do Fim do Mundo, são uma verdadeira aula de história.

8. Experimente o Cordeiro Patagônico e a Centolla, pratos típicos da região.

9. Opção de hospedagem econômica e com boa localização: Antarctica Hostel.

10. O melhor câmbio de Ushuaia fica dentro do Hotel Antartida (Rivadavia, 172). O dólar estava 14 pesos e o real 5 pesos em outubro de 2014).

Meu roteiro Completo

1° Dia: Rio de Janeiro – Ushuaia (Aerolíneas 01:40h – 11:50h)
2° Dia: Ushuaia – Lago Escondido e Fagnano
3° Dia: Ushuaia – Parque Nacional Tierra del Fuego
4° Dia: Ushuaia – Navegação Canal Beagle
5° Dia: Ushuaia – Punta Arenas – Puerto Natales
6° Dia: Puerto Natales – Parque Nacional Torres Del Paine
7° Dia: Puerto Natales – El Calafate
8°Dia: El Calafate – Passarelas Perito Moreno
9° Dia: El Calafate – Big Ice
10° Dia: El Calafate – El Chaltén
11°Dia: El Chaltén – Laguna de Los Tres
12° Dia: El Chaltén – Laguna Torre
13° Dia: El Chaltén – El Calafate – Rio de Janeiro (Aerolíneas 16:25h – 00:45h)
Dia 1 – Rio de Janeiro – Ushuaia
Comprei a passagem Rio de Janeiro – Ushuaia e El Calafate – Rio de Janeiro por milhas smiles, com a parceira Aerolineas Argentinas. Um fato curioso que achei foi que a Aerolíneas não encerra o check in com 1 hora antes da decolagem, ainda bem, porque cheguei um pouco atrasada para pegar o voo e me atenderam com a maior tranquilidade. O duty free estava deserto, só tinha eu lá, esse horário da madrugada é muito bom. Meu voo era às 01:40 saindo do Galeão e chegando em Buenos Aires EZE às 05:00, e depois saindo do Aeroparque às 08:20 e chegando em Ushuaia às 11:55. No check in a atendente me deu um bilhete para trocar por um voucher na empresa de ônibus que faz esse trajeto entre os aeroportos EZE e AEP. Foi tranquilo, mas a fila estava bem grande, mostrei meu bilhete para o
motorista com o horário do voo e ele me deixou passar na frente.
Cheguei em Ushuaia e peguei um táxi até o Antarctica Hostel, custou 7 dólares, eles aceitam dólar numa boa. Deixei as malas no hostel e fui no mercado La Anonima, pois como hoje era domingo e aniversário da cidade, as lojas iriam fechar cedo.
Comprei frutas e alguns lanchinhos. Depois fui até o porto para tentar fechar a navegação pelo Canal Beagle, mas o tempo não estava bom e não saiu nenhum passeio nesse dia. Aproveitei para assistir ao desfile militar que estava acontecendo em comemoração ao aniversário da cidade.
Caminhei pela Av San Martin e estava tudo fechado, com exceção de algumas lojinhas de souvenir.  Aqui o comércio fecha entre 13h e 16h. Encontrei uma agencia aberta e reservei o passeio de 4×4 aos Lagos
Escondido e Fagnano para o dia seguinte. O passeio custou 990 pesos. Comi umas empanadas no El Noble que ficava aberto até mais tarde.
Aproveitei para conhecer o Museu do Fim do Mundo. Ele é pequenininho, a entrada custa 90 pesos. Não achei muito legal não. O Museu do Presídio engloba boa parte do que tem no Museu do fim do mundo.
Quando eu cheguei em Ushuaia estava fazendo sol, mas à tarde começou uma ventania e depois começou a cair uma neve bem fininha. De repente parava de nevar e saía o sol, depois nevava novamente. O tempo estava totalmente louco.
Troquei reais por pesos a uma ótima cotação no Hotel Antartica bem perto do meu hostel. O real estava valendo 5,05 pesos e o dólar estava 14 pesos. Troquei R$ 2.100,00 e o dinheiro deu certinho até o final da viagem. Não usei cartão nenhuma vez, porque o câmbio no cartão era real 3 pesos e dólar 8 pesos. Eu também tinha levado dólar, mas só precisei trocar no Chile e troquei o suficiente para fazer o Full Day tour para o Parque Torres Del Paine, para pagar o hostel, comprar comida e a passagem para El Calafate.
Dia 2 – Passeio 4×4 Lago Escondido e Fagnano
Acordei e levei um susto quando olhei pela janela e vi o telhado coberto com neve. Tinha nevado a noite toda e não foi pouca neve não, todos diziam que caiu mais neve do que no inverno inteiro. Fui até o porto tirar fotos na plaquinha do Fim do Mundo e foi muito engraçado ver que no dia anterior era outra paisagem completamente diferente.
No começo pensei que fosse atrapalhar os passeios, mas depois curti muito passear pela cidade toda branquinha, os carros todos cobertos com neve, as ruas brancas. Voltei para o hostel para esperar o carro do passeio. O passeio é numa 4×4, fui a última a ser pega e fiquei na parte de trás do carro, o que atrapalhou um pouco de ver as paisagens. Foi um casal no meio e uma israelense na frente.
A primeira parada é no Vale dos Lobos, onde ficam os cachorros treinados para puxar trenó. Eles são muito dóceis, fiquei um tempão tirando fotos com eles. Era só chegar perto que eles disputavam para receber um carinho.
Depois continuamos cruzando a Cordilheira dos Andes e fizemos uma parada em Paso Garibaldi, um mirante para o Lago Escondido, que, adivinha? Estava escondido, não deu pra ver nada. Em seguida fomos em direção ao Lago Fagnano. O caminho é muito bonito e a neve deixou a paisagem com cara de filme, as árvores todas branquinhas da neve que tinha acabado de cair durante a noite. Chegamos no Lago Fagnano e estava ventando e nevando tanto que nem consegui ficar muito tempo lá fora.
Corri para o chalé e fiquei me aquecendo em volta da lareira. Conheci duas cariocas muito legais que estavam viajando com as filhas de 8 anos, amigas da escola. Elas estavam no outro carro e os dois carros ficaram no mesmo chalé. Ficamos conversando bastante enquanto esperávamos o almoço. Elas me deram várias dicas ótimas de El Calafate, que depois eu usei, como o restaurante Pura Vida, o Bar do gelo e outras.
O almoço foi maravilhoso. Primeiro foi servido queijos e vinhos, depois um delicioso pão com linguiça e por último um legítimo churrasco argentino acompanhado de uma salada. O churrasco é feito pelos
próprios motoristas e eles arrebentaram. Estava tudo delicioso.
Passamos uma tarde super agradável, num aconchegante chalé no meio da floresta toda coberta
de neve. O mais engraçado foi que quando chegamos parecia que ficaríamos ali o dia inteiro na maior calma só curtindo o chalé, o lago e a neve. Estava tudo tranquilo, tomando vinho e degustando o churrasco, quando de repente, os motoristas começaram a recolher tudo e lavar a louça e em menos de 10 minutos já estávamos todos dentro do carro indo embora. Foi tudo tão de repente que nem me despedi das meninas. Entrei no meu carro e voltamos para Ushuaia. Na volta vimos uns carros patinando na neve, porque essa nevasca pegou muita gente de surpresa e como era feriado na cidade, muita gente aproveitou para passear pelos lagos e acabou sendo surpreendido pela neve. Chegamos em Ushuaia e fui caminhar pela San Martin. Comprei uns postais para mandar pra algumas pessoas
com o selo do Fim do Mundo. Nas próprias lojinhas tem caixas de correio pra mandar, é só comprar o selo. Mas eu recomendo que compre os postais e deixe para mandar no correio do Fim do Mundo que fica dentro do Parque Nacional Tierra Del Fuego. O carimbo de lá é bem mais bonito.
Dia 3 – Parque Nacional Tierra Del Fuego
Reservei o transfer para o Parque Nacional Tierra Del Fuego no próprio hostel para 09:30. O transfer me pegou no hostel e fomos para o Parque. Na entrada do Parque todos descem para comprar os ingressos (100 pesos para Mercosul) e eles te dão um mapa do parque. Depois o motorista para em um ponto e pergunta quem vai descer para fazer a Senda Costeira. Ele também informa os locais e horários de
retorno. Fiquei com um pouco de receio de fazer a trilha porque o parque ainda estava com muita neve e no dia anterior essa trilha estava fechada por causa da neve. Vi algumas pessoas descendo e acabei descendo também. O legal é que logo no início conheci um casal de brasileiros e fiz a trilha com eles. Antes de começar a trilha passamos na agência de correio do Fim do Mundo e carimbei meu passaporte.
O carimbo é lindo e ocupa a página inteira, vem com um selo com a foto do carteiro do Fim do Mundo e ele carimba pinguim, coração, farol…
Mandei um postal pra mim mesma também. Depois iniciamos a trilha, que ora vai margeando a costa e ora vai por dentro da floresta. As paisagens são muito bonitas. Ainda tinha bastante neve pelo caminho, o que o deixava  escorregadio às vezes.
Minha bota da Salomon de Goretex também deu super conta do recado. Pisei em várias poças e não entrou uma gota de água. Essa bota foi o melhor investimento da viagem. Comprei no E-bay de uma garota da Austrália que tinha comprado a bota pra fazer uma viagem, mas acabou não viajando. A bota estava novinha, valeu muito a pena.
Fizemos a Senda Costeira em 3:15h total, com várias paradinhas para fotos. Ao final da trilha chegamos no Centro de Visitantes Alakush, um local com banheiro, restaurante e uma exposição sobre os Yamanas. Comi uma empanada de carne bem gostosa nesse restaurante por 20 pesos.
Depois fizemos outra trilha até Lapataia, onde tem a plaquinha do Fim da Rota 3 (a estrada que liga a América de norte a sul). Essa trilha é rapidinha, levamos uns 50 minutos.
Voltamos no último transfer, das 19h. O transfer sai da  Lapataia e do Centro de visitantes, então dá pra se programar para esperar o transfer ao final da trilha Lapataia e não precisar refazer nenhum caminho na volta.
Fiquei bem cansada nesse dia, porque foi a primeira trilha da viagem, tanto é que em Chaltén eu andei o dobro em um dia e fiquei tranquila. A quantidade de neve também dificultou um pouco o percurso.
Cheguei em Ushuaia e fui até uma agencia comprar a navegação pelo Canal de Beagle. Todas as agencias vendem o mesmo passeio, com exceção da agencia Tres Marias que é num barco menor e tem um passeio diferenciado (como o barco é menor, ele se aproxima mais das ilhas e dá pra ver os bichinhos mais de perto, além de desembarcar na Isla H e fazer um trekking na ilha).  As outras agências vendem o passeio da Canoero que pode ser mais curto passando na Ilha dos Pássaros, na Ilha dos
Lobos e no Farol, ou passando em todos esses e depois seguindo até o local dos pinguins. Acabei optando pelo passeio com a pinguineira porque seria o primeiro dia da temporada de pinguins e quis aproveitar logo e fazer o passeio completo, mesmo sabendo que esse passeio não desembarca na ilha, só vê os pinguins de longe. O passeio da pinguineira que desembarca na ilha e vê os pinguins mais de
perto é só o da agência Pira Tur, que custava 1.200 pesos. Já o passeio da Canoero custou 700 pesos. Além disso, a temporada de pinguins ainda estava começando e não tinha muitos pinguins na ilha, por isso achei que não valeria à pena ir com Pira Tur.
Dia 4 – Navegação Canal Beagle
Passei a manhã caminhando pela Av San Martin, olhando os outlets e comprando suvenir.
Comprei minha passagem para Punta Arenas e Porto Natales na agência Tolkeyen para o dia seguinte. A passagem custou 930 pesos tudo e saída 6h da manhã.
Depois fui no Museu do Presídio, que na verdade são vários museus em um só. Gostei bastante desse museu, bem interessante. Gostei de ler as histórias dobre os Yamanas, os índios da Patagônia. Eles andavam pelados naquele frio, o que os mantinham aquecidos era o fogo. Assim, quando os exploradores chegaram na Patagônia, viram muitas fogueiras e denominaram a região de Terra do Fogo. Os colonizadores deram roupas para os Yamanas, mas eles acabaram ficando doentes por causa da umidade e da sujeira e foram extintos. A água e o fogo os mantinham limpos.
Depois almocei e fui até a agencia da Canoero no porto trocar o voucher do passeio e ganhei um chocolate quente da Laguna Negra e um brinde a ser retirado na loja “A última Bita”. Também ganhei um certificado de “Bom navegante” por ter navegado pelo Canal de Beagle. Aproveitei que ainda tinha um tempinho antes da hora do passeio e fui tomar o chocolate quente, porque o passeio ia voltar
tarde e não ia dar tempo de pegar a loja aberta. Quando estava entrando no porto para pagar a taxa portuária, tinha umas meninas dando um voucher para retirar um brinde na H. Stern. Aproveitei também e fui lá pegar, era um lindo pingente com um pinguim. Amei.
A navegação pelo Canal Beagle saiu às 15:30h. Encontrei minhas amigas cariocas e ficamos sentadas juntas no catamarã. O catamarã é bem grande e confortável. A guia vai contando a história e dando várias informações sobre os lugares. Ela contou uma coisa curiosa, que os pinguins que estão em Ushuaia nessa época são do Brasil.
A primeira parada do passeio é na Ilha dos Pássaros, que à primeira vista mais parecem pinguins. Depois fomos até a Ilha dos Lobos e por último fomos até o famoso Farol do Fim do Mundo, que na verdade não é o verdadeiro farol do Fim do Mundo, mas quem se importa. Ushuaia adora dizer que tudo ali é do fim do mundo, não ia ser diferente com o farol.
Depois fomos até a pinguineira, todos estavam na expectativa de ver os pinguins, principalmente as crianças. Quando chegamos nos deparamos com um pingado de pinguins, bem diferente da foto que o cara da agencia me mostrou. Ele disse que mais pra dezembro fica lotado de pinguim que não dá nem pra ver a areia. Achei que não valeu a pena fazer a pinguineira porque demora muito, e tinham poucos
pinguins ainda nessa época. O passeio todo levou 5 horas. Chegamos já era quase 21h e as lojas já estavam todas fechando. Fui para o hostel arrumar as malas para seguir viagem para Puerto Natales no dia seguinte.
0 Comentários
Escreva seu comentário
Comente via facebook
Instagram
@seguindo_viagem
css.php