Fechar
Ecoturismo, Torres del Paine, Trilhas

Parque Nacional Torres del Paine

05 de fevereiro de 2015
O Parque Nacional Torres Del Paine é um belíssimo parque localizado na Patagônia Chilena, declarado Reserva da Biosfera pela UNESCO desde 1978. O parque tem uma área de aproximadamente 227.000 hectares e seu principal atrativo é a Cordilheira Paine, que dá nome ao lugar. Toda a cordilheira foi formada ao longo das últimas eras glaciais, esculpindo uma cadeia de picos independente dos Andes. Ao redor encontram-se geleiras, como a Grey, e lagos de degelo com águas de tonalidade azul turquesa, como Sarmiento, del Toro, Pehoé, Nordenskjod e Grey.
A porta de entrada do Parque é a cidade de Puerto Natales, a 110 quilômetros de distância. Há ônibus saindo de Puerto Natales para o Parque diariamente e a viagem dura cerca de 3h.
A forma mais tradicional de conhecer o parque é fazendo os famosos e desafiadores Circuitos “W”  e “O”, mas é preciso disposição para caminhar muito e acampar no parque ou dormir em refúgios. O Circuito “W” dura 4 dias e é chamado assim devido ao percurso ter a forma de um W. Já o Circuito “O” dá uma volta inteira no parque e dura de 7 a 10 dias.
Para quem não abre mão do conforto, a opção é ficar em um dos hotéis do parque, como o Explora e o camping-chique Ecocamp. A maioria dos estabelecimentos funcionam no sistema all-inclusive, que conta com todas as refeições, traslados, passeios e guias muito locais.
Para quem tem pouco tempo ou não é tão adepto de longas caminhadas, ainda mais no frio patagônico, existe a opção de contratar uma excursão de um dia, o Full Day Tour, que passa pelos pontos principais do parque.
O Full Day Tour é o melhor custo-benefício para quem quer conhecer as belezas do Parque em pouco tempo e sem muito esforço. O ônibus para quatro vezes dentro do parque. A primeira é num mirante para ver os Cuernos, a segunda parada é para ver a cachoeira do Salto Grande, a terceira parada para almoçar num refúgio à beira do lago Pehué, e a última parada é no Lago Grey para ver os icebergs de perto e caminhar até o mirante da geleira Grey.
No fundo eu gostaria de ter feito o Circuito W, mas não tinha muito tempo e ainda queria conhecer El Chaltén e El Calafate. Mais um motivo para voltar futuramente reservando uns 5 dias para o parque.
De El Calafate também saem excursões de um dia para Torres del Paine, porém é mais cansativo, são muitas horas de ônibus, 6 horas para ir e 6 horas para voltar. Você fica mais tempo no ônibus do que no parque, é muito cansativo.
O ideal é incluir Puerto Natales/Torres del Paine num circuito entre Punta Arenas e El Calafate, para não precisar refazer nenhum caminho de volta. Essa foi a opção que escolhi e que se encaixava bem no meu roteiro, que ia de Ushuaia a El Calafate, passando por Punta Arenas e Puerto Natales. Fiquei duas noites em Puerto Natales para fazer esse passeio e confesso que foi legal passear um pouco numa cidadezinha do fim do mundo.
Puerto Natales é muito tranquila, as poucas pessoas que estão na cidade durante o dia estão procurando alugar equipamentos para acampar no parque. No fim do dia, quando as pessoas voltam dos passeios é que a cidade renasce.
É importante estar bem preparado para caminhar em Torres Del Paine, pois dentro do parque existe a formação de um micro clima, podendo variar muito a temperatura ao longo do dia. Botas de trekking e roupas impermeáveis são indispensáveis.

 

 

Meu roteiro

 Dia 5 –  Ushuaia – Punta Arenas – Puerto Natales
Fui para Punta Arenas com os brasileiros que conheci na Senda Costeira do Parque Nacional Tierra Del Fuego. Saímos de Ushuaia às 6h da manhã de van da empresa Líder até Rio Grande. Chegamos em Rio Grande e passamos para um ônibus da empresa Bus Pacheco em direção à Punta Arenas. A viagem faz duas paradas na alfândega, uma para sair da Argentina e outra para entrar no Chile. A da Argentina é mais rápida, desce do ônibus, carimba o passaporte e só. Para entrar no Chile demora mais, porque eles passam todas as bagagens no raio x. Não pode entrar no Chile com comidas frescas, como frutas, verduras, mas pode entrar com comida que já está pronta, por exemplo empanadas. Depois de passar pelas fronteiras é a hora de cruzar o Estreito de Magalhães.  Todos descem do ônibus e esperam a balsa chegar. A balsa é bem grande e cabem vários ônibus e carros, além das pessoas, que vão na parte de cima. Após cruzar o Estreito, entramos novamente no ônibus e continuamos até Punta Arenas. Cheguei em Punta Arenas às 17 horas e o ônibus para Puerto Natales estava só esperando a gente chegar para partir, foi só o tempo de pegar as malas e colocar no outro ônibus. Chegamos em Puerto Natales às 21h. A atendente da rodoviária nos indicou o hostel Circuito W, ela telefonou para o hostel e eles pagaram nosso táxi até lá.
Chegamos no hostel e corremos para achar uma casa de câmbio aberta. A recepcionista nos indicou a Cambio Sur, que funciona na casa do dono. Chegamos lá e já estava tudo apagado, depois de muito chamar veio um senhor e trocou dólar por pesos chilenos. Foi a única vez que precisei trocar dólar. Depois fomos atrás de mercado para comprar comida para levar para  Torres Del paine. Os dois brasileiros resolveram que ficariam duas noites no Parque e eu reservei o Full Day Torres Del Paine no próprio hostel.
 Dia 6 – Parque Torres Del Paine
A van para o Full Day Torres Del Paine passou às 07:30 no hostel. Fizemos uma parada técnica no caminho, comprei um sanduíche de carne para almoçar no parque. Depois seguimos para o parque, de longe já dava pra ver as torres, o dia estava bem bonito, céu azul e sem nuvens. A van fez uma parada ainda fora do Parque para tirarmos fotos. Depois paramos na Laguna Amarga, a cor da laguna é linda e as torres no fundo formavam uma paisagem perfeita.
Em seguida paramos na entrada do parque para comprar os ingressos, 18.000 pesos chilenos. A entrada dá direito a voltar ao parque por mais dois dias, para isso é preciso avisar que vai querer voltar. Carimbei meu passaporte com o símbolo do Parque.
O parque é lindo demais, quando você acha que não tem como ficar mais bonito, fica. O motorista era bem atencioso e explicava muita coisa interessante sobre o parque. Os lagos do parque são de uma cor azul turquesa linda, as montanhas cobertas de neve ao fundo deixam a paisagem encantadora.
Paramos num ponto do parque e fizemos uma pequena trilha até a cachoeira do Salto Grande, demos sorte de conseguir fazer essa trilha porque venta muito forte nessa região, o que muitas vezes impossibilita fazer essa trilha.
Depois paramos num ponto alto onde se vê o hotel Explora, um luxuoso hotel dentro do parque.
TORRES DEL PAINE
Em seguida, paramos num lugar muito lindo, com mesas de frente para o Lago Peohé onde almoçamos nossos lanches. Nesse ponto dá pra subir num morro e ter uma vista fantástica do Lago e das montanhas.
torres del paine
 A última parada no parque foi no Glaciar Grey, andamos uns 30 minutos até o mirante do Glaciar e depois voltamos. Comemos pedaços de gelo do glaciar que estava perto da areia.
torres del paine
Na volta para Puerto Natales, paramos na Cueva Del Milodón, um sítio arqueológico onde habitaram os primeiros homens patagônicos. Neste local foi descoberto em 1895 restos do Milodón, uma espécie de preguiça gigante.
Chegando em Puerto Natales, fui comprar a passagem para El Calafate para o dia seguinte, custou 15.000 pesos chilenos. Dei uma volta pelo centrinho e depois fui para o hostel arrumar as coisas e descansar. Foi legal passear nessa pequena cidade do fim do mundo onde cruzamos com pessoas de todos os cantos do planeta.

 

0 Comentários
Escreva seu comentário
Comente via facebook
Instagram
@seguindo_viagem
css.php